As dores e as delícias do primeiro encontro – Parte 18

É novo por aqui e ainda não viu os episódios anteriores? É fácil, só clicar aqui!  Parte 1, Parte 2, Parte 3Parte 4Parte 5Parte 6Parte 7Parte 8Parte 9Parte 10Parte 11Parte 12Parte 13Parte 14 Parte 15Parte 16 e Parte 17

Ana se ocupou com seus afazeres até o fim do expediente. Saiu às 18h, seu horário normal. Gui havia mandado uma mensagem, confirmando que iria trabalhar até mais tarde hoje, por volta das 20h. Assim, Ana resolveu passar numa livraria no caminho de casa. E assim pensaria em como responder a mensagem de Arthur.

Chegando lá, Ana conferiu os lançamentos… Sua estante de livros era o seu xodó e ela sempre estava preenchendo-a com novidades. O tempo para leitura não era tão grande como antigamente, mas ela conseguia ler 2 ou 3 livros por mês com facilidade. Ler e assistir seriados eram seus passatempos prediletos. Enquanto lia, Ana se desligava do mundo e embarcava na história dos personagens… Era ótimo poder viver mundos paralelos ao dela.

Como era cliente assídua, as vendedoras já a conheciam intimamente. Ana adorava o ambiente daquela livraria. Não era uma megastore, pelo contrário. Tinha um clima intimista e remetia ao século passado. Em anexo, um pequeno café que servia um cappuccino espetacular. Era impossível passar por lá sem saborear uma xícara.

Ana pegou uma revista e se sentou em um dos banquinhos enquanto aguardava o seu pedido. Um cappuccino clássico e biscoitinhos de aveia. Pegou o celular e releu a mensagem de Arthur. Respirou profundamente e começou a digitar:

“Oi Arthur, desculpe pela demora em responder. Seu número está salvo. Também sinto falta da nossa amizade. Você foi o meu primeiro amigo… Sim, vamos marcar o nosso café pra colocar o papo em dia!

Abraço, Ana.”

Amizade. Amigo. Ana fez questão de dar ênfase nisso! Não queria que Arthur estivesse confundindo as coisas… Ou talvez fosse só coisa da sua cabeça. Mas, o jeito que ele a olhou antes de sair tinha deixado sua cabeça cheia de dúvidas!

Numa questão de segundos seu celular vibrou em resposta:

“Combinado, Aninha! Não vou sumir nunca mais, eu prometo.”

– Hm, certo. É uma grande promessa. – pensou.

E então resolveu enviar uma mensagem para Guilherme.

“Oi! Sei que você está trabalhando agora, mas queria te perguntar se você não quer combinar um cinema pra quarta ou quinta, o que acha?

Beijo!”

Enquanto tomava seu cappuccino, Ana ia pensando no que responder a Arthur. Talvez aquela mensagem não precisasse de resposta, não é? Não assim, imediatamente.

O bom de Guilherme é que ele sempre respondia rápido:

“Oi! Claro que eu animo! Estou com a noite livre em qualquer dia, você escolhe e me avisa, tá bem? Um beijo!”

– Tá bem! Fofo! – pensou. Ele era mesmo uma gracinha. Que filme eles iriam assistir? Ela não fazia ideia do que estava em cartaz… Se bem que qualquer filme estava bom. Com a companhia dele, seria divertido de qualquer forma. Digitou uma mensagem em resposta:

“Você tem alguma preferência de filme? Guerra Civil ainda está em cartaz e eu não assisti. Pode ser?”

Resposta quase que imediata:

“Também não vi ainda e estava querendo assistir! Pra mim está ótimo! Beijo”

“Agora vou realmente trabalhar, hahahaha, te aviso quando chegar em casa!”

Ana pagou a conta no café e foi para casa… A noite estava bonita e o céu cheio de estrelas. Parecia até uma cena de um filme bem romântico, em que o casal fica passeando sob a luz do luar… Só faltava Guilherme estar ao seu lado, de mãos dadas… ai, ai…

Ao chegar no apartamento, resolveu ligar para Lívia… Queria contar todas as novidades para a amiga o quanto antes e ouvir sua opinião sincera sobre tudo!

Depois de alguns minutos de falatório total de Ana, Lívia finalmente respondeu:

– UFA! Isso porque a senhorita fala que sua vida é um tédio hein amiga?

– Nem me fala. Era um tédio e ainda é, em partes. Mas em poucos dias tudo mudou, né? – Ana suspirou.

– Primeiro, tô muito feliz que vocês estejam namorando. O Gui olha pra você de um jeito tão fofo… E você tá tão feliz com ele, é nítido! – Lívia disse num suspiro.

– Ah amiga, obrigada! Eu também to bem feliz… Mesmo com toda essa confusão de André e Marcela as coisas se esclareceram numa boa.

– É, verdade! Só você mesmo pra ter essa sorte… – Lívia riu baixinho.

– Vai rindo mesmo, maldosa! Eu não merecia isso! – Ana completou, num muxoxo.

– Realmente não merecia, mas desculpa amiga, é bem engraçado. Parece coisa de novela. Hahahahaha

– HAHAHAHAHA tá bom, agora já chega… E quanto ao Arthur? Você não tem nada pra me dizer?

– Primeiro, me apresenta!

– Boba!

– Sério, ele parece ser bem gato.

– E o Beto, doida?

– Ué, o Beto tá na dele… E eu não tô morta né?

– Tá bom, agora vamos priorizar… é besteira da minha cabeça? – Ana implorou.

– Então… eu acho que talvez você esteja vendo pelo em ovo. Pode ser que ele só queira um café. Retomar a amizade, essas coisas. Mas ao mesmo tempo acho que pode ser algo meio “Simplesmente Acontece”. Você sendo a Rosie e ele o Alex.

– Ai amiga, não! Não ajudou muito… – Ana parecia frustrada.

– Veja bem… vocês são amigos desde sempre, o destino afasta, depois vocês se unem de novo. Não tem como não ver a semelhança!

– Mas e o Gui, amiga? Eu realmente gosto dele. E ele é ótimo comigo.

– Pois é, o Guilherme tá sobrando na história… Mas agora é sério, é só uma brincadeira! Não podia perder a oportunidade. Acho que você está, como sempre, sofrendo por antecipação…

– Essa é a minha vida, né?

– Ô! E você já sabe bem o quanto isso só te faz mal…

– Sei – disse baixinho.

– Então para!!!! Vive o momento, que por sinal, tá ótimo… E deixa rolar. Às vezes o cara quer só ser seu amigo mesmo, isso acontece também, Ana!

– Sim, até mesmo porque a gente já foi muito amigo, do tipo de contar tudo um pro outro…

– Então, pra mim essa é mais uma das suas paranoias!

– Como sempre, você está coberta de razão! Mas você acha que devo mandar mais alguma mensagem pra ele?

– Acho que não, você já deixou claro o que pretende. E ele deve ter entendido, é inteligente o suficiente pra isso, tem até um MBA – Lívia nunca deixava de soltar uma piadinha pra amenizar o clima .

– hahaha você não existe amiga, é verdade! Vou parar de ficar me martirizando. E curtir o lance com o Gui, que está indo muito bem… A gente vai ao cinema na quarta, tô tão feliz!

– Feliz e apaixonada, né? Só não esquece das amigas! Hãm! Vamos fazer um encontro duplo… Quem sabe assim o Beto se sente levemente intimidado a ter um relacionamento comigo… Ele é tão lerdo, amiga.

– Livinha!!!!

– É brincadeira! Mas a gente podia marcar alguma coisa mesmo, o Beto gostou bastante do Gui. Não custa nada dar uma forcinha para o destino, né?

– Com certeza, e de dar uma forcinha pro destino a gente entende! – Ana riu.

– Combinado! Um beijo e me mantenha informada.

– Beijo! Mantenho sim! – e desligou.

Enquanto trocava os canais desinteressadamente, o interfone tocou. Era o porteiro noturno.

– Oi Ana, tem uma encomenda aqui pra você… Chegou tem um tempo, mas o moço não quis subir.

– Encomenda? Mas eu não comprei nada pela internet… – Ana estava confusa.

– É uma caixinha azul… Tá escrito frágil! Você  pode vir buscar? Não posso subir pra levar ai agora, outro dia levei bronca porque deixei o posto vazio.

– Claro seu Zé, imagina! To indo agora mesmo!

Por sorte, Ana ainda não tinha colocado seu pijama de ursinho. Mas o seu Zé não ia se importar de qualquer forma…  Ana chamou o elevador e logo estava na portaria.

– Tá aqui menina! Desculpe não ter te chamado antes!

– Imagina, eu estava no telefone… Obrigada viu?

– As ordens! – ele sorriu.

Ana estava super curiosa. Não tinha remetente na embalagem, o que descartava as chances de ser uma encomenda perdida. A caixa parecia ter mini furinhos… O que poderia ser?

Chegando em casa, colocou a caixinha sobre a mesa e delicadamente rompeu a fita que lacrava a embalagem.

Um vasinho com uma pequena orquídea e um mini envelope, no mesmo tom de lilás da planta.

“ Você ainda gosta de orquídeas? Vi essa no caminho indo para casa e lembrei de você. Sim, eu me lembro do seu endereço! Só confirmei com o porteiro antes de deixar o pacote. Espero que goste.

Arthur.”

AI-MEU-DEUS.

Ana adorava flores. Orquídeas então… Que gesto lindo! Mas romântico demais, não?

O que fazer? Como agradecer?

Era hoje que Ana não ia pregar os olhos de tanta ansiedade!

 

(CONTINUA)

Anúncios

2 comentários sobre “As dores e as delícias do primeiro encontro – Parte 18

  1. Só tive tempo pra ler tudo agora, já tem um tempo que eu via que você tava postando e tal, mas tava sem tempo!
    Adorei, adorei mesmo!
    Gente, não queria ser a Ana nesse momento!!!!
    Mas fala sério? Esse frio na barriga é a melhor coisa do mundo HAHAHAHAA.
    Beijos, Tairane!

    Curtir

    • Tai sua fofa! Só agora que eu vi o seu comentário também! Obrigada por passar por aqui!
      Fico muito feliz que esteja gostando e acompanhando a história! Aguarde que grandes emoções estão por vir! hahaha Um beijão!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s